sexta-feira, 1 de abril de 2016

A Tua Imagem Vende!


A Tua Imagem é a primeira avaliação que os outros fazem de ti.



Hoje vou passar o dia em casa a preparar o Workshop de dia 9 de Abril e, como faço frequentemente, maquilhei-me. Mas se eu não vou sair de casa a não ser para passear a cadela, porque raio me arranjas tanto?


Um dos principais conselhos que dou a clientes meus que estão desempregados é a resposta a esta questão. 

E para te explicar melhor como a coisa funciona, vou contar-te uma história pessoal que me aconteceu há uns anos atrás:
Ora, eu tinha conhecido uma pessoa por quem tinha ficado particularmente atraída e com quem já tinha tido um encontro. No sábado a seguir ao dito encontro, tinha-me levantado tarde e a más horas e como ia apenas ao supermercado, decidi vestir o belo do fato de ginásio, atar o cabelo e lavar a cara. 
Estava eu no supermercado a olhar para um qualquer produto na prateleira quando um carrinho me bate na perna. Viro-me chateada e quando olho para ver quem tinha sido a pessoa que me magoou, dou de caras com a pessoa que já deves estar a imaginar. Ele pede desculpas, pergunta se me magoou e quando ia preparar-se para seguir caminho, eu lembro-me de lhe dizer "olá rapaz. Olha onde nos viemos encontrar". Pois bem, ele não me tinha reconhecido e ainda levo com aquele comentário que nenhuma mulher gosta de ouvir "Marta! Desculpa, mas nem te reconheci...". 
A seguir rimo-nos da situação e ainda hoje quando nos encontramos, ele me diz "bolas que naquele dia estavas particularmente estranha". Aquela foi sem dúvida uma lição para mim! E como deves imaginar, nunca mais saí daquela forma para lado nenhum... 

Contudo, geralmente associamos esta necessidade ao ambiente profissional. Mas como viste no meu exemplo, esta regra aplica-se a tudo na tua vida! 



Quer a nível pessoal, quer a nível profissional, criar uma primeira impressão negativa pode ser o suficiente para que o cliente não compre, a empresa não te contrate, a miúda não te dê o número de telefone, o porteiro não te deixe entrar,... 


A imagem que tu transmites no primeiro contacto com outra pessoa diz muito de ti. 

Uma imagem pouco cuidada mostra alguém que não tem cuidado consigo próprio, que não se esforça para cuidar da sua imagem e que, à partida, tão pouco se esforça para se apresentar a outras pessoas decentemente, o que mostra que, ou tem falta de auto-estima, ou não tem a menor preocupação com a opinião dos outros.
E, como é óbvio, ninguém gosta de ser associado a este tipo de conotações negativas. 

Mas atenção, imagem pouco cuidada não está de todo relacionada com o "estilo" pessoal. É possível que, se fores a algumas entrevistas de trabalho sem gravata, alguns dos recrutadores considerem que vais pouco cuidado, pois para muitas empresas, a gravata é "bem essencial de primeira necessidade", mas se tu não te imaginas de gravata, talvez simplesmente te estejas a candidatar a cargos ou empresas que não se adequém à pessoa que és.
Eu trabalhava no mesmo prédio que uma empresa bem conhecida de jeans. Uma das coisas que achava fascinante era que facilmente reconhecia no elevador quem ali trabalhava. Os jeans eram imprescindíveis, juntamente com t-shirts e sacos à tira-colo, e até calções e havaianas vi no verão. 
Um outro exemplo que adoro dar nos workshops exclusivos para mulheres é o caso do excesso: quando vemos na praia ou em feiras rurais ou até no supermercado mulheres vestidas como se fossem para um casamento. Fico branca sempre que vejo mulheres na praia de saltos, maquilhagem até ao umbigo e colares e pulseiras por todo o lado. Isso mostra um esforço excessivo que termina num desenquadramento entre a pessoa e o ambiente e até, num motivo de chacota para muitas pessoas.

Assim, tem em atenção o meu TOP+ obrigatório para sair de casa ou para quem trabalha em casa:
  • Arranja sempre o cabelo e nunca saias de casa com cabelo de quem não tomou banho (existem champôs secos que resolvem uma emergência)
  • Maquilhagem é mesmo obrigatório: mesmo que não queiras ou tenhas tempo para te besuntar, põe um creme, uma base e um rimel/máscara
  • Para os homens: apara ou faz a barba. Homens com "barba de fim-de-semana" não é sexy, ok?
  • Adapta a indumentária ao local onde vais, mas procura garantir que tens:
    • uma boa conjugação de peças
    • uma boa conjugação de cores
    • um mínimo de acessórios (às vezes basta um relógio, um cinto, um colar)
    • sapatos confortáveis para a ocasião
  • tem sempre uma mala pronta para saíres com tudo o que precisas, para nunca esqueceres nada
  • Se andas muito de carro, usa-o como 2ª casa. Dentro do meu carro encontras sempre o que eu chamo a minha mala de primeiros socorros de estilo: pijama, extra de roupa interior, casaco quente, chapéu de chuva, bolsa de maquilhagem e bolsa de higiene.
  • Lembra-te que as cores fomentam a energia. Procura não vestires apenas roupa escura. 


E se trabalhas em casa:
  • veste uma roupa confortável, mas não demasiado confortável. Por exemplo, umas calças de ganga e uns ténis com uma camisola solta; um vestido de algodão,... roupa que te dê vontade de agires!
  • Usa o pijama apenas nos dias de ronha, em que sabes que não vais trabalhar e que queres apenas ter tempo para ti. A razão é simples: na tua cabeça pijama = horas em frente à TV. Por outro lado, se já tens algo decente vestido, existe menos probabilidade de te sentires tentado a enfiar a roupa do ginásio para ir passear o cão.
  • Tenta ter algumas peças exclusivas para trabalhar em casa. O objectivo é que se precisares de sair, só precises de mudar 1 peça e já está!



Quando comecei a trabalhar a partir de casa, senti a necessidade de olhar para o meu guarda-roupa. Foi nessa altura que fiz o curso Style Yourself com a Anita Silvestre - e que adorei, by the way. Uma das mais valiosas lições que trouxe para casa foi o conceito do guarda-roupa minimalista, o que, para quem trabalha em casa até é fácil de concretizar. 

Este conceito faz todo o sentido porque te permite poupar tempo e dinheiro. Este conceito promove a criatividade pois permite-te multiplicar de forma bem imaginativa as combinações de peças. Por outro lado, dá primazia aos acessórios, que te permitem transformar radicalmente o visual. 
O truque é, como ensina a Anita Silvestre, ires às compras no teu próprio guarda-roupa. Troca as peças, experimenta vestir peças como nunca testaste antes (um vestido com uma camisola por cima vira saia, um lenço na cintura vira cinto, ...). Procura fazer o máximo de conjugações possível para cada peça. E se há peças que não gostas ou não usas, não fazem nada no teu roupeiro.
Se és homem e achas que as coisas não são bem assim, vê este site


E sempre que a vontade for menor, lembra-te que o príncipe/princesa encantados ou o teu próximo patrão podem estar na próxima esquina.


Bom trabalho de imagem pessoal.
Até já,

M@rta