sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Desenvolvimento Pessoal II: Conheces os teus valores?

E que tal? Gostaste do ficheiro que coloquei aqui no último post?

Foi fácil de compreender? De preencher?

Para mim não foi nada fácil… afinal, avaliares a pessoa que és não é fácil, principalmente quando tentas colocar a informação no papel, com palavras concretas. Precisas de tempo, precisas de escrever vezes e vezes sem conta, rabiscar, riscar e começar de novo.

E lembra-te que a forma como definiste quem és e quem queres ser não é inalterável.  Não esqueças que nós estamos a mudar constantemente. A pessoa que és neste momento não é a pessoa que eras há 2 meses. Aprendeste algo, mudaste algum conceito, definiste novas prioridades,…  e isso significa que a folha que preencheste hoje poderá alterar-se com o tempo, porque inclusivamente também vamos mudando quem somos. A pessoa que colocaste querer ser, poderá ser dentro de meses a pessoa que és e, nesse caso, a folha irá mudando, evoluindo contigo.

Contudo, há algo que se mantém inalterável ao longo da vida: os valores essenciais. Essa é a base da nossa essência e dificilmente os alteramos. Os valores são o que nos ajuda a tomar decisões – não roubar, não mentir, não maltratar são acções (ou não-acções) consequentes dos nossos valores. Por exemplo, uma pessoa que tenha optado pelo vegetarianismo tomou essa decisão devido aos seus valores, religiosos ou morais. Não gritares ou tratares mal os teus avós ou pais; optares por ajudar uma associação em vez de comprares umas calças novas,… todas essas acções estão relacionadas com os teus valores essenciais, a maioria deles absorvidos em criança através da nossa família, dos nossos professores, e das pessoas à nossa volta.

Mas a alteração dos nossos valores essenciais é possível!
 Por vezes os valores essenciais, resultado da nossa educação e dos valores dos nossos educadores, chocam com os valores que criámos ao longo da vida. Por exemplo, se os nossos pais tiverem valores que promovem o racismo, os nossos valores poderão ser contrários aos deles e, portanto, evoluíram a partir dos valores que nos foram passando na nossa infância. Mas os nossos valores também podem mudar na idade adulta, consequência de experiências de vida.

Os teus valores são uma das bases principais para o preenchimento correcto do ficheiro do último post ou de qualquer avaliação pessoal que faças.


E agora pergunto-te: conheces verdadeiramente os teus valores? 

Fica bem.

M@arta